Goiás tem muito a comemorar no Dia da Habitação

Atual gestão já entregou quase 3 mil moradias, empregando recursos de aproximadamente R$ 30 milhões. Investimento do Governo de Goiás viabiliza o acesso de famílias de baixa renda à moradia de qualidade

O Dia Nacional da Habitação, celebrado neste 21 de agosto, é um convite à discussão de soluções para promover o direito de todo cidadão à moradia de qualidade. Para o presidente da Agência Goiana de Habitação (Agehab), Lucas Fernandes, os desafios para se combater o déficit habitacional são muitos. Mas em Goiás, segundo ele, existem importantes conquistas para comemorar. De acordo com ele, mesmo em meio a muitas dificuldades, a gestão do governador Ronaldo Caiado conseguiu entregar quase 3 mil moradias e destravar inúmeras obras paradas, com investimento estadual de quase R$ 30 milhões. 

Essa contrapartida do Estado, de até R$ 20 mil por unidade habitacional, nas parcerias firmadas com o governo federal e os municípios, é fundamental para garantir o acesso das famílias mais carentes à moradia digna. Foi assim que a dona de casa Luana Ferreira Rezende, 25 anos, conquistou uma moradia no distrito de Souzalândia, em Barro Alto, no final de junho, um dos municípios em que o governador Ronaldo Caiado já entregou moradias. “Sair do aluguel é a melhor sensação do mundo!”, revelou ela, ao lado do marido Diego Jean, 34 anos, sapateiro, e o filho Enzo, de cinco anos. A casa da família de Luana foi construída em parceria do Governo do Estado com a prefeitura de Barro Alto. 

As parcerias da Agehab na construção de moradias em todo o Estado são importantes no combate ao déficit habitacional das famílias com renda até três salários mínimos, que são a maioria entre as 156 mil que vivem em condições precárias em Goiás, segundo o Instituto Mauro Borges. Para enfrentar o déficit habitacional, o Governo do Estado, por meio da Agehab, está fechando convênios, garantindo repasse em dia da contrapartida estadual e destravando obras lentas ou paralisadas. 

Foi essa atuação do poder público que garantiu final feliz para a longa espera da funcionária pública Regina Maria da Silva Alves, 55 anos, por uma habitação no Residencial João Paulo II. “Essa casa é uma benção de Deus. Eu pago R$ 650 de aluguel em uma moradia que não chega aos pés dessa. Estou tão feliz e quero que as outras famílias também tenham essa alegria. O governador Caiado e a Agehab estão de parabéns, pois chegaram para resolver nossa situação. Já estão fazendo o asfalto e logo as outras famílias vão receber as casas delas”, contou Regina, durante a entrega de 93 moradias no Residencial, esta semana. 

O caso do João Paulo II é emblemático, pois demonstra o empenho do Governo de Goiás em resolver os problemas encontrados no Estado, a exemplo de obras paralisadas, com contrapartidas atrasadas ou em ritmo lento por falta de gestão austera. A construção de 230 moradias da segunda etapa do residencial se arrastava há anos, tendo ficado por mais de três anos paralisada. Foi retomada pela atual gestão, com a solução de todas as pendências, que vão da correção de projetos à infraestrutura. As próximas entregas para finalizar esta etapa do residencial estão programadas para setembro e outubro, à medida que forem concluídas as obras de infraestrutura – asfalto, galeria de águas pluviais, rede elétrica, iluminação pública e rede de água.

Em Planaltina, no Entorno do Distrito Federal, região que acumula um dos maiores déficits do Estado, essa alegria já chegou para 383 famílias do Residencial São Francisco no início deste mês. O casal Cícero Salvino de Almeida, 44 anos, auxiliar de serviços gerais com renda mensal de 480 reais, e a dona de casa Rosilene Maria da Silva deixaram no passado o histórico de condições precárias de moradia em um barracão de lona e madeirite. Eles estão começando vida nova no bairro entregue com infraestrutura completa – ruas asfaltadas com sinalização, iluminação pública, rede de energia e água, aquecimento solar no chuveiro, coleta de lixo, centro de educação infantil e escola. “Tudo de maravilhoso. A casa é muito boa”, comemorou Cícero.

As perspectivas de construção de mais moradias são boas, destaca o presidente da Agehab. Já foram contratadas pela atual gestão mais de 5 mil unidades habitacionais, com previsão de investimento de R$ 67 milhões. Também estão em processo de contratação outras 6 mil unidades, com a meta de chegar a 15 mil unidades em julho próximo, assinala ele.

Com os graves problemas provocados pela pandemia, a Agência integra os esforços do Governo de Goiás para retomada da economia. Atividade de interesse social, a construção de moradias para famílias com renda de até três salários ajudará na recuperação econômica dos municípios, gerando emprego e renda nas localidades dos empreendimentos habitacionais. “Esta é uma determinação do governador. Contratação de mão-de-obra, serviços e compra de materiais na região de abrangência dos empreendimentos. Nossa previsão é gerar com o volume que estamos contratando 16 mil empregos diretos e indiretos”, afirma Lucas Fernandes

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo