Governo de Goiás leva benefícios habitacionais para Morro Agudo, Matrinchã e Heitoraí


 

Em meio à maratona de visitas no interior do Estado, nesta segunda-feira (10/2), o governador Marconi Perillo, acompanhado do presidente da Agência Goiana de Habitação (Agehab), Luiz Stival, entregou benefícios habitacionais em Morro Agudo de Goiás, Matrinchã e Heitoraí. A desempregada Leidiane Ferreira dos Santos, 28 anos, e o tapeceiro Adriano Mendanha dos Reis, 31, comemoraram o recebimento oficial da moradia deles, no Residencial Cristo Rey, em Morro Agudo. “É o fim da incerteza, das mudanças inesperadas e dos alugueis caros. Sentimos abençoados por Deus”, diz Leidiane. Adriano completa que a realização do sonho maior abre caminho para outras conquistas. “Agora pensamos em comprar um carro, pois temos duas meninas, de 7 e 3 anos, e é complicado andar de moto”, conta. Leidiane também quer aproveitar a estabilidade e o fim da despesa com aluguel para recomeçar os estudos.

As 30 primeiras moradias do Residencial Cristo Rey foram construídas com recursos da parceria do Estado com o governo federal (Cheque Mais Moradia/Oferta Pública Sub-50/1). Em breve, os moradores ganharão 100 novos vizinhos. Ainda nesta segunda-feira, o governador lançou o restante do empreendimento habitacional já com a liberação de R$ 2 milhões em Cheque Mais Moradia para a construção das casas. A obra será executada pela Prefeitura.

A empregada doméstica Rosirene José Reis, 32 anos, já sabe que será uma das contempladas. Ela assinou os Cheques Mais Moradias para liberação dos recursos do Governo de Goiás que serão utilizados na construção de sua casa. “Já morei em 13 lugares diferentes desde que me casei, há sete anos. Ter uma casa minha é uma felicidade tão grande que nem sei explicar”, afirma.

200 municípios

Localizado no Vale do São Patrício, distante 200 quilômetros de Goiânia e com cerca de 3 mil habitantes, Morro Agudo é um dos mais de 200 municípios já beneficiados pelo Governo de Goiás na área habitacional com construção, reforma e melhoria de moradias. “Estamos trabalhando na Agehab com muita determinação para cumprir as metas traçadas pelo governador, de construção de pelo menos 50 moradias em cada município, independente de bandeira política”, destaca o presidente da Agehab, Luiz Stival.

Ele salienta que já foram construídas mais de 4 mil moradias em 67 municípios e outras 19 mil foram contratadas e iniciadas em 176 municípios. Segundo ele, trata-se de um recorde na história de Goiás, que é referência nacional em contratação de moradias, principalmente na faixa de renda familiar de zero a três salários mínimos. O prefeito de Morro Agudo, Deny Leles Aparecido Rosa, ressalta que o município tinha um deficit habitacional de 140 moradias, que está sendo atendido pelo Governo de Goiás.

O gestor municipal diz que o trabalho da Agehab de apoio ao município para elaboração do Plano Municipal de Habitação de Interesse Social (PMHIS) foi determinante para que conseguisse buscar as parcerias e os recursos para a construção das moradias. “A Agehab foi fundamental para a organização do município na área habitacional. Definimos nossa demanda e os benefícios já estão chegando. Nosso município ficou praticamente 12 anos sem construção de moradia para famílias de baixa renda”, relata o prefeito. Segundo ele, as obras serão iniciadas imediatamente, com previsão de conclusão até o final do ano.

Outras cidades

Depois de Morro Agudo, a comitiva do governador seguiu para Matrinchã, onde 38 famílias assinaram contratos com a Agehab para construção de moradias da parceria Cheque Mais Moradia e Ministério das Cidades/Sub-50-2. Em Heitoraí, 28 famílias foram contempladas com o Cheque Mais Moradia para melhoria nas casas construídas com recursos do Cheque Mais Moradia e Sub-50-1.

Com o valor de R$ 3 mil recebidos em Cheque Mais Moradia Melhoria, o casal formado pela dona de casa Lourdes Gonçalves Pinheiro, 44 anos, e o lavrador José Jesus, 60, vão quitar a dívida com o comércio local adquirida com a compra de material de construção. Eles já começaram a ampliação da casa, mas pararam por falta de recursos. “A gente gastou uma parte com acabamento e outra para construir a área. Graças a essa ajuda, vamos terminar a obra e vou poder me dedicar a minha horta, que tanto gosto de cuidar”, revela a simpática dona Lourdes.

Antes, conta ela, não conseguia plantar um pé de pimenta, por medo de ter que se mudar, acordando no dia seguinte sem ele. “Agora tenho muita liberdade para fazer o que quiser na minha casa”, afirma.

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo