Moradias do Governo de Goiás levam segurança a 20 famílias de Itauçu

Sérgio Willian

 

Aos 68 anos de idade, os aposentados Elza Nogueira de Souza e José Joaquim Ferreira estavam cansados da vida na beira da estrada, que cruza Itauçu, a 70 km de Goiânia. “Já perdemos três cachorros atropelados. Acidentes na porta de casa aconteciam frequentemente. A segurança da gente não tem preço”, desabafou dona Elza. Com a duplicação da rodovia GO-070, eles receberam nesta quinta-feira (22/05) uma nova moradia, no Setor Pedra Grande. “Quem não fica feliz? Saímos da irregularidade”, comemora o casal, que está entre as 20 famílias beneficiadas com recursos do Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Habitação (Agehab), que investiu R$ 400 mil. São R$ 20 mil em Cheque Mais Moradia por unidade.

A entrega foi realizada com a presença do presidente da Agehab, Luiz Stival, que representou o governador Marconi Perillo. Segundo ele, a obra de duplicação da rodovia executada pela Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop) é importante para a região, pois trará desenvolvimento e empregos. “O Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura de Itauçu, está cumprindo sua responsabilidade de amparar as famílias deslocadas para abrir espaço para a chegada do progresso”, destaca. Para o prefeito de Itauçu, Moacir Dias Barbosa, conhecido como Tulim, lembra que o município está situado entre a atual e a antiga capital do Estado, Goiás, uma importante rota turística. “As 20 famílias deslocadas viverão com dignidade no novo residencial e a cidade crescerá, com geração de emprego e renda”, lembra.

A comerciante Ana Paula Soares Cardoso, 30 anos, se instalou no setor Pedra Grande há dois anos, acreditando no desenvolvimento da região. Recebeu os novos vizinhos com cumprimentos e abraços. Ela possui um bar e mercearia no local e acredita que o comércio vai deslanchar com a chegada da nova clientela.

Segurança

O aposentado Antônio Cesário de Oliveira, 78 anos, morava em uma casa de adobe como posseiro desde que tinha 25 anos idade e apenas dois de casado. Não tinha segurança sobre a propriedade e se preocupava com o bem-estar da família. O filho dele, Manoel Joaquim Cesário, de 53 anos, quase foi uma vítima da rodovia. Estava caminhando pelo acostamento quando o pneu de um caminhão estourou. Os estilhaços passaram perto. “Agora é só tranquilidade para toda a família. Os netos do meu pai podem correr à vontade”, completa Manoe

 

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo