Convênio facilitará intercâmbio acadêmico em universidades do Brasil e da Itália

Um novo acordo de cooperação internacional a ser firmado pelo Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e pela Universidade de Bolonha (Unibo) contribuirá para ampliar a mobilidade acadêmica entre instituições de pesquisa brasileiras e italianas. A primeira ação será o lançamento de um edital conjunto para que alunos de doutorado e pós doutorado de todas as áreas do conhecimento possam realizar pesquisas nas universidades envolvidas no convênio. A Unibo representará outras universidades italianas no convênio.

O acordo é resultado de uma série de encontros nos últimos anos. Mais recentemente, em 2016, os professores Sergio Luiz Gargioni e Maria Zaira Turchi, respectivamente presidente e vice-presidente do Confap, estiveram em setembro com o professor Antonio Corradi, representante de Relações Internacionais para América Latina da Unibo, e a professora Giovanna Filippini, chefe do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Bolonha. “Elaboramos a minuta do Acordo de Cooperação a ser assinado, inclusive com definição de cronograma do edital”, resumiu a professora Maria Zaira, que também preside a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg).

Anteriormente, o professor Carlos Roberto De Rolt, da Udesc, teve outras experiências com instituições italianas que o convenceram da importância em se ampliar o convênio já existente com sua universidade, que tem rendido excelentes resultados. “Exemplificamos com o projeto Participact Brasil, em andamento na Udesc, que está proporcionando o desenvolvimento cientifico e tecnológico de uma plataforma de TIC composta por um sistema de crowdsensing e big data para estudo de problemas urbanos nas cidades inteligentes”, disse. “Tal projeto tem objetivos científicos multidisciplinares por desenvolver técnicas de coleta, armazenamento e análise de dados em ambiente cloud computing na área de engenharia e computação e estuda em ciências sociais a gestão de comunidades virtuais nas redes sociais compostas por cidadãos dispostos a participar de processos cooperativos de coleta e análise de dados. Problemas urbanos como mobilidade, população flutuante, acessibilidade, gerenciamento de eventos de emergência são exemplos de aplicações.”

Mais sobre o projeto da Udesc em http://www.fapesc.sc.gov.br/universidade-italiana-busca-ampliar-parceria-de-pesquisa-com-instituicoes-catarinenses/.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação do Confap.

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo