Fapeg celebra resultados positivos na avaliação da Capes dos programas de Pós-Graduação de instituições goianas

A última avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) apontou um crescimento da pós-graduação no Brasil. Os resultados desta avaliação dos programas de pós-graduação Stricto Sensu (PPGSS) em funcionamento no Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG) foram divulgados no final de setembro (confira aqui). Em dados absolutos, o sistema avançou de 3.337 para 4.175 programas entre os anos de 2013 e 2016.

Além do número de programas ter aumentado, houve um crescimento de 22% em relação às notas desses programas. O País conta atualmente com 11% dos programas com desempenho equivalente a padrões internacionais de excelência, com notas 6 e 7, totalizando 465 programas de pós-graduação. Em Goiás, entre os programas de pós-graduação que receberam a Nota 7 – nível máximo –, aparece pela primeira vez a Universidade Federal de Goiás (UFG), com o PPGSS em Ecologia e Evolução. Também destaque, o PPGSS em Ciências Ambientais obteve Nota 6.

UFG CAPES
Imagem: UFG

Do total de programas avaliados da UFG, 19,7% (13 programas) tiveram suas notas aumentadas e cerca de 61% dos programas apresentam notas entre 4 e 7. “Para a UFG, o resultado é positivo e animador, com uma melhoria global dos indicadores, confirmando a trajetória de consolidação da pós-graduação em nossa instituição”, afirma o pró-reitor de Pós-Graduação da UFG, Jesiel Freitas Carvalho.

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) também comemora os resultados. A Universidade conquistou nota 4 em mais quatro cursos e estão habilitados a solicitar o nível de doutorado. Para o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UEG, Ivano Devilla, “esta conquista representa para a UEG a qualificação do corpo docente da instituição com uma trajetória vinculada ao ensino e à pesquisa, que consolida-se em áreas de conhecimento estratégicos para o desenvolvimento do Estado de Goiás. Ainda com um fator diferencial atingindo o interior de Goiás em diversas mesorregiões”.

UEG dados CapesPara Ivano Devilla, este desempenho da Universidade na Capes se deve à parceria da gestão com os professores, que se empenharam no planejamento e na ampliação da produção científica. Ivano citou, ainda, a atuação dos estudantes, que têm apresentado produções de alta qualidade e apontou, como fatores importantes no desempenho da UEG, a captação de recursos por meio de projetos e a parceria com outras instituições.

Entre essas parcerias com a UEG, Ivano destaca a da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), que se tornou, segundo ele, a principal parceira da instituição na consolidação dos programas Stricto Sensu, atuando com uma diversidade de ações. “Neste cenário de crise econômica e cortes das verbas para a pesquisa, a Fapeg tem sido a principal fonte financiadora de atividades de fomento à pesquisa, divulgação de pesquisa nacional e internacional. O desafio é avançar neste papel de protagonista que a Fapeg, como agente financiador de ciência e desenvolvimento, vem alavancando com a UEG”, reforça.

A presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, celebra os resultados positivos junto aos Programas de Pós-graduação e às instituições. “A Fapeg tem um papel fundamental nesta avaliação positiva. Não há como desenvolver pesquisa continuada, de qualidade, com resultados relevantes, sem financiamento regular, sem apoio à pesquisa tecnológica e de inovação e apoio à formação de recursos humanos altamente qualificados. E a Fapeg atuou nessa frente, financiando projetos, concedendo bolsas de mestrado e doutorado, complementando as cotas Capes e Cnpq”, salienta.

O diretor científico da Fapeg, Albenones José de Mesquita, citou alguns editais que são muito importantes para o fortalecimento dos programas de pós-graduação como, por exemplo, as Bolsas de Formação de Mestrado e Doutorado, que fomentam a formação de recursos humanos qualificados; os editais de apoio à participação e realização de eventos científicos no País e no exterior, que contribuem para a divulgação de importantes pesquisas nas diferentes áreas da ciência, tecnologia e inovação. Também os editais de Apoio aos Programas de Pós-Graduação e de Concessão de Bolsas de Pós-Doutorado no País.

O resultado divulgado pela Capes é preliminar e refere-se à primeira etapa da avaliação. O resultado final deverá ser divulgado no dia 20 de dezembro deste ano, após deliberação sobre eventuais pedidos de reconsideração.

Resultados positivos para instituições goianas 
No Instituto Federal de Goiás (IFG), o curso de Mestrado Profissional em Educação para Ciências e Matemática, ofertado pelo Câmpus Jataí, recebeu nota 4, nesta avaliação. O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Ruberley Rodrigues de Souza, acredita que esta avaliação é resultado do trabalho coletivo e compromissado de todo o corpo docente, discente e técnico-administrativo do programa. “Essa nota nos permite submeter um projeto, para a Capes, de um curso de doutorado na área, o que pretendemos fazer até o final deste ano”, avalia.

Ele comentou que a Fapeg tem contribuído de forma crucial para o desenvolvimento da pesquisa e pós-graduação no Estado de Goiás e  ressaltou que “as bolsas de mestrado para os alunos possibilitam a eles uma maior dedicação ao curso e, consequentemente, uma melhor qualidade da pesquisa realizada”. Além disso, ele exemplifica que a concessão de auxílios financeiros para a realização de eventos, como as Semanas de Licenciatura e Seminário da Pós-Graduação em Educação para Ciências e Matemática, possibilita trazer pesquisadores de renome nacional para palestras e oficinas, o que favorece uma complementação da formação dos discentes.

Também destaque, o Instituto Federal Goiano (IF Goiano) obteve nota 5 no Mestrado e Doutorado em Ciências Agrárias – Agronomia do IF Goiano Campus Rio Verde. O pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Fabiano Guimarães, destaca que “nesta grande conquista para o IF Goiano, que foi em apenas quatro anos de criação deste Programa, a Fapeg foi vital porque viabilizou por meio de seus vários editais, ações que foram determinantes neste sucesso”. Ainda, o IF Goiano obteve nota 4 no Mestrado Acadêmico em Agroquímica, também ofertado pelo Campus Rio Verde.

A UniEvangélica teve conceito 4 no Mestrado em Sociedade e Meio Ambiente – PPGSS SOMA. O mestrado esteve entre os programas da área de Ciências Ambientais que melhoraram sua nota em relação à última avaliação de 2013, passando de 3 para 4. O pró-reitor da instituição, Sandro Dutra e Silva, destaca que houve um aumento significativo da produção acadêmica, com livros, artigos e intercâmbios e agradeceu o apoio da Fapeg. “ Ninguém chega a algum lugar sozinho. É preciso deste amparo e estendemos a comemoração da UniEvangélica à Fapeg”, comemorou. Ele informou que como desdobramento desses resultados, a UniEvangélica vai submeter proposta para criação do Doutorado em Ciências Ambientais.

A Pontifícia Universidade Católica de Goiás(PUC Goiás) obteve melhoria em dois cursos: mestrado em Ciências Ambientais e Saúde, que recebeu nota 4, e o mestrado e doutorado em Educação, com nota 5. A PUC Goiás ainda tem avaliação considerada boa ou muito boa do PPGSS em Ciências da Religião, mestrado e doutorado, com nota 5, e Psicologia, mestrado e doutorado, com nota 4.

Segundo o coordenador de Stricto Sensu da PUC Goiás, Darlan Tavares Feitosa, a avaliação da instituição é extremamente positiva. “A avaliação reconhece a qualidade da produção tanto dos professores quanto dos alunos”, analisa. Com o resultado, a universidade já pode apresentar proposta de criação de Doutorado para Ciências Ambientais e Saúde.

Fortalecimento contínuo
Desde 2012, a expansão e a qualificação dos programas de Pós-Graduação estão no plano de ação da Fapeg, com financiamento regular, como tem sido feito com as bolsas e os acordos com a Capes. A presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, lembra que neste mesmo ano de 2012, a Fapeg fez um acordo de cooperação com a Capes para contribuir com o fortalecimento e a qualidade da Pós-Graduação. a presidente reforça que ainda neste ano a Fapeg assinou um acordo de R$ 80 milhões com a Capes “que, com as metas estabelecidas, darão continuidade a esta ação tão importante do Governo de Goiás de apoiar os Programas de Pós-Graduação”.

Assessoria de Comunicação Social da Fapeg com informações da CAPES, UFG , UEG, IF Goiano, IFG, UniEvangélica e PUC Goiás.

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo