Fapeg e Universidades abrem atividades do Dia C da Ciência em Goiás

Autoridades no Dia C em Goiás
Autoridades presentes na abertura do Dia C da Ciência. Foto: Weslley Cruz / PUC Goiás.

A quarta-feira, 25 de outubro, foi marcada em todo o País por uma mobilização em defesa da ciência. Trata-se do Dia C da Ciência que, em Goiás, foi aberto oficialmente com uma cerimônia realizada no auditório do Instituto de Educação de Goiás (IEG), no Setor Leste Vila Nova, em Goiânia. A data foi escolhida entre os dias da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, realizada, em 2017, de 23 a 29 de outubro.

A solenidade reuniu reitores e pró-reitores da Universidade Federal de Goiás (UFG), Pontifícia Universidade Católica (PUC Goiás), Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Federal de Goiás e Instituto Federal Goiano, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), da Fundação de Apoio à Pesquisa (Funape), do Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg), pesquisadores, estudantes e sociedade. Além da participação destas instituições, o movimento envolveu também as secretarias estadual e municipal de Educação.

Universidades, centros e institutos de ensino, ciência e tecnologia prepararam uma diversificada programação, na capital e interior, para mostrar para a sociedade, governo e gestores públicos como as pesquisas desenvolvidas por essas instituições são capazes de modificar o dia a dia das pessoas e de promover transformações e o desenvolvimento do País. Escolas, museus, espaços públicos entre outros foram ocupados com atividades com o objetivo de mostrar para a população o que está sendo produzido em termos de pesquisa. Os cientistas e pesquisadores também mostram o que estão fazendo para apresentar soluções e novos caminhos para demandas diversas da população, como a cura para doenças, novos remédios e protocolos, descoberta de vacinas, novas tecnologias, conhecimento da biodiversidade, do clima e da cultura, entre outros.

A tônica das atividades foi no sentido de mostrar que, além de formar recursos humanos altamente qualificados, as universidades e institutos são responsáveis pela produção de aproximadamente 90% do conhecimento científico no Brasil, e que as pesquisas produzidas são capazes de responder aos grandes desafios da população. A mobilização dos pesquisadores busca o envolvimento e a conscientização da sociedade sobre o papel da ciência que está sendo ameaçado pela atual crise política e econômica que tem provocado cortes no investimento público nessa área, o que inviabiliza o fomento da ciência, da tecnologia e da inovação, emperra o desenvolvimento do País e ameaça o modelo de ensino público de qualidade.

Zaira Turchi - Dia C
Presidente da Fapeg, professora Maria Zaira Turchi. Foto: Weslley Cruz / PUC Goiás.

Abertura
O evento foi aberto pelo grupo musical Ciranda da Gente, do Centro de Estudo e Pesquisa Ciranda da Arte, da Secretaria da Educação, Cultura e Esporte (Seduce), que trabalha sob três eixos principais de atuação: formação continuada de professores, produções artísticas e pesquisas. Em seguida, a pró-reitora de Pesquisa e Inovação da Universidade Federal de Goiás (UFG), Maria Clorinda Soares Fioravanti, organizadora do Dia C da Ciência em Goiás, explicou que “a ideia é mostrar para a sociedade que as universidades e institutos, além de formar recursos humanos qualificados, também produzem ciência. Acima de tudo, mostrar que a ciência muda a vida de todos”. O evento, segundo ela, pretende também mobilizar a sociedade contra os cortes na área de ciência e tecnologia e deixar claro aos governantes que investir em educação, ciência e tecnologia não é custo, e sim investimento.

A presidente da Fapeg, Maria Zaira Turchi, destacou que “em Goiás, todas as universidades e instituições de ensino e pesquisa estão reunidas e mobilizadas para mostrar, com atividades diferentes, a importância da ciência para o mundo e sobretudo a relevância do investimento regular, permanente, contínuo em ciência para o desenvolvimento do nosso Estado e do nosso País”. Ela ressaltou que a pesquisa tem seu tempo e que a redução no orçamento federal implica em perdas irreparáveis, de modo com que todo o desenvolvimento já alcançado poderia entrar em retrocesso.

Além disso, a presidente enfatizou que a Fapeg alcançou um reconhecimento nacional e está entre as fundações que têm conseguido lançar editais regulares, apoiar projetos importantes, mas que precisa que o sistema federal de ciência e tecnologia esteja funcionando em sua totalidade para poder financiar ainda mais a comunidade científica e continuar avançando nas descobertas e nos caminhos que a ciência aponta para os grandes desafios.

Solenidade do Dia C no IEG
Solenidade foi realizada no Instituto de Educação de Goiás (IEG). Foto: Weslley Cruz / PUC Goiás.

O reitor da PUC Goiás, Wolmir Amado, ressaltou a necessidade da união de todos neste Dia da Ciência para projetar para a sociedade, numa percepção mais ampla, a importância da ciência. O reitor em exercício do Instituto Federal de Goiás, Ruberley Rodrigues de Souza, destacou que os campus do IFG das 14 cidades e Capital também estão, neste Dia C, desenvolvendo atividades. Ele comemorou o crescimento da instituição, lembrando que ainda há muito para se consolidar e que para isso é preciso união de institutos, universidades e sociedade para defender a ciência brasileira.

O reitor do Instituto Federal Goiano (IF Goiano), Vicente Pereira de Almeida, também destacou a necessidade de envolver a sociedade para que ela também abrace a causa da ciência. Falou do papel da interiorização do Instituto, da pesquisa e do ensino nas formações oferecidas pela instituição, que vão desde o ensino médio, técnico, integrado, superior, graduação, mestrado e doutorado.

O reitor da UFG, Orlando Afonso do Amaral, enfatizou a importância da iniciativa para a ciência brasileira. “O Brasil é um país com grandes potencialidades, com enormes reservas minerais, clima e água que proporcionam vantagens competitivas, mas temos sérias deficiências, entre elas a falta de cultura científica e de promover a ciência e a educação desde o início”, ressaltou. “A ciência agrega valor às nossas potencialidades, gera riquezas e desenvolvimento. As restrições orçamentárias comprometem o desenvolvimento do País, um país que tanto precisa avançar.”

Público presente
Público presente na solenidade era composto de reitores, pró-reitores, pesquisadores, estudantes e sociedade. Foto: Weslley Cruz / PUC Goiás.

Representando os pesquisadores, o professor José Alexandre Filizola Diniz Filho, do Departamento de Ecologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFG, questionou o paradoxo em ser necessário a difusão da ciência, como algo básico, enquanto vivemos em uma sociedade avançada tecnologicamente. “Tudo o que nos cerca é fruto da ciência e tecnologia. Então, por que precisamos de um dia C da Ciência, por que precisamos da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia?”, questionou. Segundo o professor, é necessário se popularizar a ciência, utilizando uma linguagem mais comum e, nesse sentido, a divulgação é a chave para que a pesquisa, a ciência e a tecnologia tenham valor para a sociedade. “Precisamos conscientizar as pessoas em todo o planeta para não desistirem de lutar contra a ignorância e a opressão física e mental”, concluiu.

A iniciativa da mobilização nacional partiu do Colégio de Pró-Reitores de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação das Instituições Federais de Ensino e do Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação (Foprop). As atividades referentes ao Dia C da Ciência podem ser acessadas aqui.

Assessoria de Comunicação Social da Fapeg

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo