Fapeg participa da abertura do III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG

Autoridades presentes na abertura do III Cepe da UEG. Foto: Cecom UEG.

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) deu início na última quarta-feira, dia 19, ao III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe). O evento é o maior encontro científico da Instituição e congrega os trabalhos acadêmicos desenvolvidos em todos os 42 câmpus da UEG. As atividades do III Cepe acontecem até sexta-feira, 21.

Com o tema Inovação: inclusão social e direitos, o III Cepe busca fomentar a discussão e o desenvolvimento de conhecimento aliado às demandas sociais locais.

Para a professora Maria Olinda, pró-reitora de Graduação da UEG, essa é uma discussão na qual a Universidade tem grande importância. “É urgente que o conhecimento científico esteja, de fato, em diálogo com a realidade e atue na promoção da justiça social. Essa é uma questão muito cara à UEG, uma instituição de ensino superior que tem como marca a inclusão”, afirmou.

Nessa edição estão inscritos mais de 1.400 trabalhos, e o público estimado é de 2.300 pessoas, entre estudantes de graduação e pós-graduação, professores e diretores dos câmpus.

Para Lusinaide Cordeiro Marques, professora no Câmpus Minaçu e discente no Programa de Pós-Graduação Território e Expressões Culturais no Cerrado (Teccer), a importância e o alcance do Cepe é imprescindível para quem desenvolve projetos na Instituição. “Com o Cepe a UEG mostra a sua importância social, quando desenvolve projetos nas comunidades na qual se encontra”, analisou.

A mesma percepção tem Eloane Rodrigues Carvalho, estudante do Teccer. Para ela o evento é o momento em que a Instituição consegue reunir toda a diversidade da produção científica da UEG. “É um momento riquíssimo. É um momento de encontro dos diversos pesquisadores da Instituição; portanto, o Cepe é também um momento de troca de experiências e diálogos entre pares”, observou.

Zaira Turchi e Haroldo Reimer, no III Cepe da UEG. Foto: Cecom UEG.

Conferência de abertura
Presente na abertura do evento, a presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), professora Maria Zaira Turchi, ressaltou a importância do Congresso para o desenvolvimento do campo científico do Estado. “A UEG mostra com o evento a sua importância e seu papel estratégico para o desenvolvimento científico em Goiás”, avaliou.

A conferência de abertura ficou a cargo do professor Eguimar Felício Chaveiro, do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (UFG). Com o tema “Na era do sujeito: entre a força e o estilhaço”, o professor discorreu sobre o sujeito como centro da discussão da inovação. “Hoje há um novo estatuto do sujeito, uma nova forma de pensar os sujeitos. Uma vez que esse sujeito contemporâneo é perpassado por uma torrente de informação, com tendência à banalização da vida e do outro e com dificuldades de organização coletiva. Paradoxalmente, é a organização coletiva que irá propiciar a troca de experiências, parcerias e intercâmbios, que são tão necessários para o desenvolvimento e a inovação”, analisou.

O reitor da UEG, professor Haroldo Reimer, se mostrou bastante entusiasmado. “Esse é um momento de grande alegria para toda a UEG. O momento em que estamos reunidos para discutir formas de avanço e inclusão sociais. Buscando produzir conhecimento que transforme as vidas das pessoas e contribua para a superação das assimetrias sociais”, disse.

Fonte: CeCom / UEG.

Governo na palma da mão

Pular para o conteúdo